Essa conseguiu me irritar

De vez em quando, na hora de para voltar do Inglês, minha mãe está em casa, com muito preguiça de ir até o centro da cidade me buscar, de forma que ela me da uma nota de 5 reais e fala:

-Se vira malandro, foi pra isso que te criei.

Seguido de um tapa na bunda. Bom, ela diria (e me bunda-tapearia), se fosse assim que ela tivesse me criado. Ao invés disso ela diz:

-O ônibus é o que vai pra Cabo Frio, cheque o troco, não fale com estranhos, olhe para os dois lados antes de atravessar uma rua de mão única, e para o céu também se for de mão dupla.

Isso e outras baboseiras de mães super proteroras. Bom, de qualquer forma, de vez em quando eu volto para casa de ônibus.

Tipo esse dái.

Beleza, eu entro no ônibus (e, aliás, foi a primeira vez em que eu vi uma mulher como motorista) e logo depois, ele tá cheio. Quando a motorista começou a sair da vaga, uma mulher pede para a esperarem.

Prontamente, um senhor bem simpático começou a ajudar a mulher com a mala que ela carregava, enquanto a mãe dela subia pela porta de trás do ônibus. Aliás, diferente de Niterói, e provavelmente outras cidades grandes (o meu maior contato com “”cidades grandes” é Niterói), se entra no ônibus pela porta da frente e se sai pela de trás, de forma que o motorista faz as vezes de contador.

A mulher, levava ainda um bebê de colo. Como vi que todos os assentos estavam ocupados, prontamente ofereci meu lugar a mulher. Logo após, ela pediu para que eu pegasse o dinheiro da passagem com a mãe dela, que tinha pego o último assento disponível, e que como tinha entrado por trás, não tinha pago ainda.

Andei até o fundo do ônibus, peguei o dinheiro com a velha (eu até diria mulher, mas vocês poderiam confundir com A mulher, e to com preguiça de escrever “a mãe da mulher”), dei à motorista, dei o troco para a mulher e girei a roleta uma vez, para que a passagem da velha fosse contabilizada.

E durante todo esse tempo, a mulher não olhou para a minha cara para dizer um simples “Obrigado”.

Não que eu faça favores pensando em retribuição, mas PORRA!, o mínimo que sempre se espera é um obrigado, que seria um resumo de “Eu reconheço o esforço/sacríficio que você fez por mim, e agradeço”, mesmo que esse esforço fosse apenas ficar 5 minutos em pé.

Se tem uma coisa que minha mãe super protetora me ensinou e eu agradeço muito, foi a ter educação. Agora, se tem uma coisa que ela não me ensinou, mas que eu faço assim mesmo, é agir como um filho da puta com pessoas mal educadas.

Eu tive que, rapidamente, tentar me conectar com a Rede Universal de Pensamentos Calmantes, e alinhar meu tronco entre o Sol e Jupiter, para não dar uma bela de uma sacaneada com a mulher. Por sorte, Jupiter estava numa boa posição, de forma que consegui me segurar.

Mas essa conexão seria rapidamente cortada se a mulher pedisse para eu chegar 5 milimetros para a esquerda para que seu filho não virasse uma bola de gude gigante nos próximos 5 segundos. Naí eu não só xingaria a mulherm como ainda chegaria 5 milimetros para a direita para a potencialização do efeito Nênê de Gude.

Fuck

Poisé, acabaram as férias. Nada mais chato que voltar a acordar às 6:30h da manhã para aprender coisas que você tem por torno de 150% de chance de mais usar na sua vida.

Não me entendam mal – apesar de imaginar que todos vocês (?) concordam com o último parágrafo –, eu entendo o porque de ser assim.

Considerando que é díficil saber qual será a sua futura profissão antes de começar a seguir o caminho que leva até ela especificamente (ainda correndo o risco de você desistir na metade (ou antes (ou depois))), existem leis que fazem com que te deem matérias que cubram pelo menos o básico de qualquer profissão que existe. Ou você acha que plantar feijão no copinho descartável de café não te deu a habilidade básica para ser jardineiro?

Mas não é sobre isso que eu quero falar, apesar de já ter gasto quatro parágrafos só com isso, contando esse daqui. Aliás, esse post não vai ter tema específico, de forma que provavelmente vai ser bem grande.

O primeiro dia de aula foi bem legal. Eu acho que finalmente eu peguei um bom professor de história, e ele vai falar, pelo menos nas primairas semanas, sobre a Primeira Guarra Mundial. É, eu acho que vai ser bem foda.

Aliás, esse ano vou começar a ter aulas de Física e Química, Sobre a Química eu não tenho certeza, mas Física, muito provavelmente, vai ser incrivelmente foda. Eu sempre fui interessado em descobrir como as coisas funcionam (leia-se: eu sempre fui Nerd mesmo), mas se o professor que for dar a aula for chato, ou mal professor mesmo, eu vou ter que mandar ele enfiar uma barra de aço com 15 kg de massa numa velociade de 69 km/h de forma que ele aponte pro norte geográfico dentro de seu, como diriam alguns, anel de couro.

Mudando de assunto, resolvi começar a caminhar. Eu to muito gordo, pelo amor de Deus. Isso que dá comida+ociosidade. Isso tirando a pré-disposição genética que Nerds tem a serem gordos. Comecei a caminhar ontem, e hoje fiz mais ou menos uma hora e meia. Acho que tá bom. Pelo menos eu dá pra manter a barriga atual, e não aumentá-la mais ainda,

Mudando de assunto de novo (eu avisei), comecei a tentar fazer essa parada de pen spinning. Cê sabe. Aquelas manobras maneirinhas com o lápis/caneta É dificil pacarái. Já to pegando a manha do “Thumbaround” e to tentando ainda o “Charge”. Considerando que até agora somente 31 olhos foram perfurados, acho que to indo bem.

Ah, sim, e maldito seja o viado que colocou a música “Cult of Personality” no Guitar Hero III. A música é até legalzinha, mas mesmo usando uma barrinha cheia de Star Power quando o Rock Metter já ta no vermelho, ele acaba antes do maldito solo acabar, resultando em 2 dias até agora parado na desgraçada da música.

E meu IPod Touch chega esse final de semana, Nem sem se cheguei a comentar aqui, mas meu primo vai trazer dos EUA unsinho pra mim. To ansioso aqui.

Adeus/ano velho/feliz/ano novo…

Poisé, ano novo aí, aquele momento em que você pensa em tudo o que você não fez, prometeu e não cumpriu, e o que você vai prometer pra não cumprir pelo resto do ano. Tem os otimistas, lembrando que o Lula sai da presidência, tem os pessimistas, lembrando que a Dilma entra… Mas, obviamente, eu só to dizendo isso pra que o post fique mais grande mesmo.

Bom, meu Natal foi bom. Ganhei uns presentinhos básicos da família, mas o principal foi, como sempre, o presente dos meus pais, que ainda não havia sido comprado.

Uns dias depois, fomos para a casa do meu tio, e de lá fomos para o paraiso consumista tupiniquim: Chuí, a cidade meio brasileira, meio uruguaiana, de onde se pode importar de qualquer parte do mundo sem imposto, até onde eu saiba. Sério, é incrivel. Eu encontrei um Nintendo Wii, com o controle que já vem com o Motion Plus acoplado, mais Wii Sports e Wii Resort, por 299 dólares. Porra, o Wii com controle normal e Wii Sports aqui no Brasil é 700 reais! Considerando que cada loja colocava a taxa de cambio do real pro dólar que queria, e normalmente era or volta de 1,70 pra 1 dolar, dá menos de 600 reais.

Lá, eu pensava em comprar um iPod Touch, mas ainda estava muito fora do preço que meu pai estava disposto a pagar, eu acabei pegando um periférico de guitarra pra PS2/Ps3/PC, segundo a caixa. Ainda não testei, porque não trouxe o PS2 pra viagem, claro, mas em compensação, meu pai compro pra ele uma arminha de chumbo, e caralho, é muito divertida aquela porra. Junta umas garrafas fazias e pronto, começa a disputa por quem conseguia acertar a tampa. Aliás, é difícil pacarái, acertei umas duas vezes só.

A festa de ano novo foi boa, e depois da queima de fogos, resolvi resgatar meu espirito fotógrafo e tirar umas fotos sem sentido. Eu vou ficar devendo essas fotos também, por causa do fato de estar na casa de uma outra tia, e eu estar sem saco também.

Provavelmente teve coisa que eu esqueci de dizer, o que significa que vocês se foderam e vão ficar sem saber da minha emocionante vida até eu me lembrar e resolver postar aqui.

Eu até desejaria um bom ano novo, mas como eu estaria mintindo, deixem eu ser sincero: não mudaria minha vida se um esquilo bebado mordesse sua bunda enquanto você explicava pra sua mãe sobre aquele pedaço de papelão com uma capa da Playboy grudada na frente. A menos que você me contasse. Aí eu riria pra caralho.

“Longe de casa…”

Cá estou eu, à mais de 2000 km do lugar onde comecei esse singelo blog, numa pacata cidadezinha chamada Cachoeira do Sul, no estado do Rio Grande do Sul.

Como vocês não sabem porque eu nunca falei aqui (a menos que você faça parte da classe “amigos” que acessa essa joça, grupo esse que corresponde à 99% do tráfego do blog segundo o Bomba Censo Patch 2011 Atualizado 7.32) meu pai é gaúcho, e toda a familia por parte dele, que inclúi 1 (uma) mãe, 7 (sete) irmãos, vários (vários) sobrinhos e MUITO MAIS (Polyshop, facilitando sua vida), a cada 3/4 anos agente vem pra cá visitar eles.

E nós vimos de carro. Dois dias de viagem, dentro de uma carro. Eu, meus pais, minha irmã e um nerd aleatório, que arrumou uma namorada em Caxias do Sul enquanto morava no Rio de Janeiro. Uma história linda de amor explicada pelo meu pai como a inconpetência do moleque em arranjar alguém no Rio mesmo.

Mas beleza. 7 da manhã de terça agente sai de casa, rodamos, rodamos, comemos uns sanduiches que minha mãe fez, rodamos, rodamos, pausa para ir no banheiro, rodamos, rodamos, rodamos, repitimos isso aí umas 3 vezes, até que, um barulho gigantesco assusta a todos. Algum feladaputa resolveu colocar uma pedra no meio do caminho. Todo mundo se recupera, pensando em como demos sorte de não ter acontecido nada de  ma-tá-tá-tá-tá-tá-tá-tá-tá-tá-tá. Pneu furado, sai todo mundo debaixo de chuva, tira as malas, espera meu pai trocar pneu, coloca as malas, rodamos até a cidade mais próxima para tentar ajeitar o pneu estourado.

O borracheiro, conhecido na cidade como “Negão da borracharia”, tinha a orelha torta estilo Spock, e falava tanto que demorou 3 horas pra fazer algo que levaria uma. Acabamos dormindo lá num hotél próximo, que tinha um Wi-fi que fazia downloads a mais de 300kbps. Sério, se eu morasse lá eu às vezes pagaria uma diária e levaria um ou dois HDs externos.

Dia seguinte, acordamos umas 7 horas, e saímos às 8, usando o pneu consertado na noite anterior. Rodamos, rodamos, ro-tá-tá-tá-tá-tá-tá-tá, A PORRA DO PNEU FUROU MAIS UMA VEZ. Pensei até em fazer um livro, “Como furar o mesmo pneu duas vezes usando só uma pedra”. Troca pneu debaixo de chuva DENOVO, continua com o estepe até a cidade seguinte para comprar outro e deixar de estepe. Depois de andar bastante, notamos um engarrafamento logo depois de uma praça de pedágio. Aquelas 10 pistas normais da praça, foram diminuindo,  uma contagem regressiva para o colapso rodoviário, 7 pistas, 5, 3, 2, 1 pista de mão dupla, seguido de uma singela plaquinha com os dizeres “Fim do trecho sob conseção à -Empresa aleatória-“. Era literalmente um funil, e a empresa troller teve a brilhante idéia de colocar várias pistas logo antes.

Depois disso foi até tranquilo. Passamos por aquelas placas de estrada “Lanchonete à 3km”, “Lanchonete à 2km”, “Lanchonete à 500m”, “Lanchonete à 200m”,”Lanchonete à 1Km”… Isso mesmo. De 200m passou para 1km. Eta povo doido, viu?

Logo depois, vimos a cena mais bizarra da viagem (até agora). Um carrinho de supermercado, com as rodas fincadas em tubos de PVC com cimente por dentro, estes fincados no chão, e alguns sacos plásticos dentro do carrinho. Essa imagem fez minha mãe soltar o mais sonoro “Que porra é essa?” que já ouvi na minha vida. Depois de refletimos, chegamos a conclusão que deveria ser uma obra de arte pós-contemporânea, possívelmente entitulada “Uátarrél em sí menor”. Infelizmente, a camera estava guardade, e não foi possível o registro fotográfico dessa bizarrice sulista.

Enfim, chegamos aqui à Cachoeira às 8 da tarde (é da tarde mesmo, aqui no Sul o sol demora muito a se por, de forma aque 8 da “noite” é algo parecido com 6 da tarde, pricipalmente em adição ao horário de verão), comemos, tomando banho, escovamos os dentes. Ah, acho que vimos alguns familiares também. Amanhã é vespera de Natal, então possívelmente terá um post falando sobre, mas não necessáriamente amanhã, claro.

As fotos, eu posto algum dia que estiver com saco de subir todas elas pro WordPress. Ah da camisa do Mário Zumbi também, eu prometo.

 

Os coloridos só conhecem um tom

Eu sei, eu sei. Meses sem postar e só aquilo que aconteceu na minha vida. Mas eu esqueci de falar que eu passei de “Holyday in Cambodia” no Guitar Hero III usando o DualShock. Eu sei. Foda demais.

Agora, ao post:

Todo mundo sabe que a maior moda de agora são as bandas coloridas, seguido logo atrás pela moda de falar mal dos coloridos.

Eu vou ser sincero: não gosto. Simples. Primeiro que a qualidade (no quesito de serem bons mesmo) deles não é nada demais. Típica banda de garagem que deu sorte. Mas o que mais me irrita neles é o fato de que mesmo querendo ser coloridos, diversificados, eles só sabem falar sobre uma coisa: Amor.

Não que eles não possam falar disso. Mas eles SÓ sabem falar disso. Todas as letras falam sobre:

-Amor

-Como eles estão felizes com a namoradinha

-Como eles estão tristes sem a namoradinha

Eles não saem disso. É sempre feliz ou triste. Eles não ficam revoltados, com raiva, nada. A vida deles se resume a amar. Que porra de vida é essa?

Vou dar um exemplo de uma banda tradicional: Queen. Eles falavam sobre amor, sobre se libertar, sobre o rádio (!!!) , amigos, sobre a destruição do mundo pelos humanos… Eles não se prenderam a um tema só.

Outro, já mudando mais um pouco: Mamonas Assassinas. Eles sempre faziam letras engraçadas, mas já falaram de animais, de amor, de mamutes (!!!), de ninjas.

Agora, para extrapolar completamente provando que não é presiso se prender a um tema: Dragonforce. Eles já cavalgaram em direção à guerra, fugiram da Terra, que estava destruída, numa nave espacial, já lutaram contra a opressão do senhor das trevas. PORRA! Eles podiam fazer músicas sobre dragões e continuar só nisso. Mas aí eles não seriam fodas.

E sabe o que é mais foda? É que eles têm oportunidade para mudar o sentimento sem precisar fugir do âmbito jovem. Tem uma música do Restar em que um amigo do locutor arma mentiras para separar ele da namorada. “Beleza, agora ele fica com raiva do amigo, e faz comparações com a política, resultando numa letra interessante e revoltada” Não. Ele resolve ficar chrando com saudades da namorada.

Ah, vá se foder, né? Porra, porque você não deu uma voadora de dois pés na nuca desse viado? Era tão simples, mas ele resolve continuar charando.

Não que seja errado falar de amor. É um belo sentimo para expressar. Mas falar só disso? Pelamodideus, né?

É, acho que esse texto não foi engraçado. Mas como isso vai me ajudar na dominação mundial, foi necessário. #desculpaesfarrapada

Saudades?

Aparentemente começar um blog durante um período em que você tenha algo para fazer não dá certo. Acho que é melhor quando não se está fazendo nada mesmo.

Ok, ok, já estou de férias à mais de uma semana, mas resolvi arranjar uma namorada no dia em que eu ia voltar a postar, então, demorei mais um pouquinho (falando nela, Oi amor ^^ (ela adora isso)).

De qualquer forma, cá estou eu denovo, para alegrar vossos corações. Resolvi fazer uma listinha de o que aconteceu nessa minha vida nerd.

-Ganhei uma partida de Heroes of Mith and Magic III

-Ganhei uma camisa com uma estampa do Mário. Zumbi. Muito foda.

-Ganhei aquele box do Classic Rock que passava na TV. Muito bom. Músicas extremamente fodas.

-Fiz um Twitter. E nem uso muito. Não consigo ver graça em postar 5624 mensagens com menos de 140 caracteres por dia.

-@rafaeltohnaboa, a propósito.

-Assisti (não por inteiro, ainda) um anime muito maneiro, e com uma bela dublagem, que tem várias gírias brasileiras (“Tô na àrea, se derrubar é penalti”)

-Fiquei pensando quando voltaria a postar.

Bom, é isso. Amanhã tem um texto de verdade.  E vou ver se posto uma foto da camisa. Fala sério, tem até um Cogumelo meio comido no canto. Não tinha como não ser foda.

Ó, religiosos retardados

Depois de atualizar os Feeds e jogar um pouco de Tribal Wars, resolvi ler os que tinha de novo. E passando pelo >>Metamorfose Digital<< (aliás é um site muito bom, uma média de 8 posts novos por dia, e com um conteúdo bem interessante) encontrei esse artigo:

>>Crentes adjudicam o milagre do resgate dos mineiros no Chile<<
Primeiramente, não, não sei o significado de “adjudicam”. Mas pelo artigo dá para entender que umas pessoas de cada religião (adventistas, católicos e evangélicos) estavam brigando pela posse do “milagre” que aconteceu. Cada um puxando a sardinha pro seu lado.

Só para ter uma idéia, o pastor adventista reclamou que o rival católico estava recebendo mais atenção da mídia do que ele.

Acho que eles se esqueceram que não houve milagre nenhum. Milagre haveria se tivessem gases explosivos vazando lá. Mas não, a situação estava TOTALMENTE sob controle. Claro, os mineradores ainda estavam lá embaixo, mas não havia sinais de que aquilo sairia de controle. Estava tão sob controle que o resgate aconteceu dois meses antes do previsto inicialmente.

Mas aí começa aquela história de que qualquer coisa boa (ou não, às vezes) que aconteça é um milagre. Sabe quando apareceu o rosto de Jesus numa .torrada. e um monte de gente disse que era um milagre? Chega a dar raiva, sério mesmo. Parece que se achassem uma moeda no chão leventariam as mãos e diriam “Obrigado por esse milagre senhor!”, sem saber que o dono daquela moeda perdeu o emprego porque ficou sem dinheiro para o ônibus, que estava contado (ok, foi comparação um tanto quanto exagerada, mas só a parte de achar a moeda já dá vontade de dar uma voadora na cabeça do cidadão).

E pior, até onde eu saiba todos tem um mesmo Deus, mas com maneiras de chegar até Ele deiferentes. Logo, se foi Deus quem fez um milagre, o milagre valeu para todos, não?

E se esses caras fossem realmente puros, estariam dizendo “Obrigado pelo milagre” e não “Quem fez o milagre foi o meu Deus, olhem para mim!”

E não, não sou ateu, sou espírita, só para constar.

Dr. Slump

Não se preocupem com a falta de posts. É por falta de assunto ou criatividade mesmo. Aindo vou encher o saco de vocês por muito tempo. Isso é, se alguém ainda acessa isso aqui.

Assunto principal:

Há uns 5 anos, ganhei de aniversário um mangá entitulado Dr. Slump. Tinha uma capa amarela e uma garota cheia de tralha nas costas. O suficiente para qualquer um perguntar “Mas que porra é essa?”. Joguei a revista na cama e continuei mechendo no computador. Por volta de Meia-noite, resolvi checar os presentes. Me deparei com a revista e comecei a ler. E logo nas primeiras páginas eu chorei de rir. Hilariante mesmo.

Há uns dias, resolvi procurar na internet os outros capítulos da revista, e fiquei sabendo que a editora aqui do Brasil cancelou a produção por causa das baixas vendas. Então, só restava uma coisa a fazer: Baixar em inglês mesmo. Foi aí que eu pensei “Porra, podia por isso lá no blog” mas me lembrei que os 3 visitantes habituais daqui não sabem inglês, então tive que traduzir a porra toda para vocês aprecisarem.

Aqui vai o 1° capítulo:

http://www.zshare.net/download/81456430452a261c/

Quando estiver com saco posto o resto. E é bom que riam, porque é chato pra desgraça editar de balãozinho em balãozinho.

E, caso não se lembrem, mangá se le os balões e quadrinhos da direita para a esquerda.

“Bye-bye,

Bye-bye,

Bye-Bye.”

Parabéns a todos…

… que votaram no Tiririca. Eu só tenho duas coisas a dizer:

Primeiramente: PUTAQUEPARIU!

Segundamente: Um texto imenso.

Pronto. Temos agora um comediante (ou humorista?) que só atende pelo nome do personagem, com suspeitas de ser analfabeto, como Deputado.

Sabe qual é a ironia? É que piorou a situação de antes.

Agora pergunte para quem votou nele:

“Por que é que você fez isso, FILHO DE UMA VACA PRENHA?”

E ele(a) vai responder :

“Porque ele é engraçado rsrsrs” ou “Pela zoeira asuhasuhaushaus” ou “Porque pior que tá não fica 65Dv6gg6GAGea654saeagv3aG!!!”

COMO-ASSIM? Como pode alguém tratar com tanta levianidade algo tão sério? E não sou sensacionalista não, mas quando você vota em alguém, você tem que OBRIGATORIAMENTE ter um motivo concreto, mesmo que esse concreto seja a nova parede do barraco. Votar em alguém que não só é um mal candidato, como não te deu nada em troca? A única boa coisa que pensam dos brasileiros lá fora é que nós somos malandros e até com isso vocês querem avacalhar?

Tiririca, demonstrando toda sua inteligência e seriedade.

Algum idiota irá dizer: “Eu estava protestando contra esses políticos safados!”

Vou contar uma pequena história:

Era uma vez Em 1988, no Zoológio do Rio de Janeiro havia uma chimpamzé chamado Macaco Tião. Nesse ano, houve a eleição para prefeito do Rio de Janeiro. E devido a baixa qualidade dos candidatos, muitos resolveram votar em Tião, em protesto, e esse movimento se espalhou por toda a cidade.  Como os votos eram em cédulas, era só escrever Macaco Tião e pronto: você votou num primo de trilhonésimo sexto grau.

Tião era claramente mais apto que Tiririca.

Tem que ser acéfalo para não entender a diferença entre os dois “protestos”. Mas eu explico. O Macaco NÃO foi eleito. Porque ele NÃO era um candidato. Todos os votos para ele foram considerados NULOS. Porém, o Tiririca É um candidato (ou melhor, era, agora ele é DEPUTADO).

Como disse o @Tamosauskas no Twitter: 

“Votar no Tiririca para protestar contra a política é como queimar ónibus para protestar contra o transporte público.”

Beleza, funciona e chama a atenção. Mas só atrapalha o objetivo do “protesto”.

Então por favor, quem votou no Tiririca: Vá enfiar um Gnomo de Jardim na bunda, enquanto grita “Eu votei no Tiririca!” até você se arrepender.

Ah, e grave.

Its a… Paper Gun!

Esses dias eu ia navegando pelo Youtube sem mais nada para fazer da vida quando encontro esse vido aqui:

É em inglês, mas a menos que você seja cego você entenderá.

Eu, como bom desocupado, resolvi fazer. E ficou bem maneirim, vou te contar.

A dicacuja

Bom, eu fiz algumas mudanças. Dá para ver que tem um reforço ali embaixo do corpo, porque estava ameaçando a dobrar, e depois que dobra não tem mais jeito, virou um peso para papel (ironia?).

É isso que acontece com paper guns que não se comportam direito.

Além disso, usei fita isolante, que é bem mais resistente, além de ser a fita mais macho que existe, junto com as fitas com filmes pornô. Mas isso não vem ao caso. O elástico que eu uso é o que veio com meu Corsa:

Oh, uma foto sem um comentário pseudo-engraçado (paradoxo?)

Eu uso ele dobrado, claro. Fico imaginando como seria uma guerra com isso. Na certa, algumas orbitas perfuradas vazando humor vítreo (usa o Google, filho) . Ah, e sangue. Com umas pitadas de pus. Tá, já encheu.

Ah sim:

Meu corsa =D

« Older entries