Archive for fevereiro, 2011

Essa conseguiu me irritar

De vez em quando, na hora de para voltar do Inglês, minha mãe está em casa, com muito preguiça de ir até o centro da cidade me buscar, de forma que ela me da uma nota de 5 reais e fala:

-Se vira malandro, foi pra isso que te criei.

Seguido de um tapa na bunda. Bom, ela diria (e me bunda-tapearia), se fosse assim que ela tivesse me criado. Ao invés disso ela diz:

-O ônibus é o que vai pra Cabo Frio, cheque o troco, não fale com estranhos, olhe para os dois lados antes de atravessar uma rua de mão única, e para o céu também se for de mão dupla.

Isso e outras baboseiras de mães super proteroras. Bom, de qualquer forma, de vez em quando eu volto para casa de ônibus.

Tipo esse dái.

Beleza, eu entro no ônibus (e, aliás, foi a primeira vez em que eu vi uma mulher como motorista) e logo depois, ele tá cheio. Quando a motorista começou a sair da vaga, uma mulher pede para a esperarem.

Prontamente, um senhor bem simpático começou a ajudar a mulher com a mala que ela carregava, enquanto a mãe dela subia pela porta de trás do ônibus. Aliás, diferente de Niterói, e provavelmente outras cidades grandes (o meu maior contato com “”cidades grandes” é Niterói), se entra no ônibus pela porta da frente e se sai pela de trás, de forma que o motorista faz as vezes de contador.

A mulher, levava ainda um bebê de colo. Como vi que todos os assentos estavam ocupados, prontamente ofereci meu lugar a mulher. Logo após, ela pediu para que eu pegasse o dinheiro da passagem com a mãe dela, que tinha pego o último assento disponível, e que como tinha entrado por trás, não tinha pago ainda.

Andei até o fundo do ônibus, peguei o dinheiro com a velha (eu até diria mulher, mas vocês poderiam confundir com A mulher, e to com preguiça de escrever “a mãe da mulher”), dei à motorista, dei o troco para a mulher e girei a roleta uma vez, para que a passagem da velha fosse contabilizada.

E durante todo esse tempo, a mulher não olhou para a minha cara para dizer um simples “Obrigado”.

Não que eu faça favores pensando em retribuição, mas PORRA!, o mínimo que sempre se espera é um obrigado, que seria um resumo de “Eu reconheço o esforço/sacríficio que você fez por mim, e agradeço”, mesmo que esse esforço fosse apenas ficar 5 minutos em pé.

Se tem uma coisa que minha mãe super protetora me ensinou e eu agradeço muito, foi a ter educação. Agora, se tem uma coisa que ela não me ensinou, mas que eu faço assim mesmo, é agir como um filho da puta com pessoas mal educadas.

Eu tive que, rapidamente, tentar me conectar com a Rede Universal de Pensamentos Calmantes, e alinhar meu tronco entre o Sol e Jupiter, para não dar uma bela de uma sacaneada com a mulher. Por sorte, Jupiter estava numa boa posição, de forma que consegui me segurar.

Mas essa conexão seria rapidamente cortada se a mulher pedisse para eu chegar 5 milimetros para a esquerda para que seu filho não virasse uma bola de gude gigante nos próximos 5 segundos. Naí eu não só xingaria a mulherm como ainda chegaria 5 milimetros para a direita para a potencialização do efeito Nênê de Gude.

Fuck

Poisé, acabaram as férias. Nada mais chato que voltar a acordar às 6:30h da manhã para aprender coisas que você tem por torno de 150% de chance de mais usar na sua vida.

Não me entendam mal – apesar de imaginar que todos vocês (?) concordam com o último parágrafo –, eu entendo o porque de ser assim.

Considerando que é díficil saber qual será a sua futura profissão antes de começar a seguir o caminho que leva até ela especificamente (ainda correndo o risco de você desistir na metade (ou antes (ou depois))), existem leis que fazem com que te deem matérias que cubram pelo menos o básico de qualquer profissão que existe. Ou você acha que plantar feijão no copinho descartável de café não te deu a habilidade básica para ser jardineiro?

Mas não é sobre isso que eu quero falar, apesar de já ter gasto quatro parágrafos só com isso, contando esse daqui. Aliás, esse post não vai ter tema específico, de forma que provavelmente vai ser bem grande.

O primeiro dia de aula foi bem legal. Eu acho que finalmente eu peguei um bom professor de história, e ele vai falar, pelo menos nas primairas semanas, sobre a Primeira Guarra Mundial. É, eu acho que vai ser bem foda.

Aliás, esse ano vou começar a ter aulas de Física e Química, Sobre a Química eu não tenho certeza, mas Física, muito provavelmente, vai ser incrivelmente foda. Eu sempre fui interessado em descobrir como as coisas funcionam (leia-se: eu sempre fui Nerd mesmo), mas se o professor que for dar a aula for chato, ou mal professor mesmo, eu vou ter que mandar ele enfiar uma barra de aço com 15 kg de massa numa velociade de 69 km/h de forma que ele aponte pro norte geográfico dentro de seu, como diriam alguns, anel de couro.

Mudando de assunto, resolvi começar a caminhar. Eu to muito gordo, pelo amor de Deus. Isso que dá comida+ociosidade. Isso tirando a pré-disposição genética que Nerds tem a serem gordos. Comecei a caminhar ontem, e hoje fiz mais ou menos uma hora e meia. Acho que tá bom. Pelo menos eu dá pra manter a barriga atual, e não aumentá-la mais ainda,

Mudando de assunto de novo (eu avisei), comecei a tentar fazer essa parada de pen spinning. Cê sabe. Aquelas manobras maneirinhas com o lápis/caneta É dificil pacarái. Já to pegando a manha do “Thumbaround” e to tentando ainda o “Charge”. Considerando que até agora somente 31 olhos foram perfurados, acho que to indo bem.

Ah, sim, e maldito seja o viado que colocou a música “Cult of Personality” no Guitar Hero III. A música é até legalzinha, mas mesmo usando uma barrinha cheia de Star Power quando o Rock Metter já ta no vermelho, ele acaba antes do maldito solo acabar, resultando em 2 dias até agora parado na desgraçada da música.

E meu IPod Touch chega esse final de semana, Nem sem se cheguei a comentar aqui, mas meu primo vai trazer dos EUA unsinho pra mim. To ansioso aqui.