Archive for Arte

Os coloridos só conhecem um tom

Eu sei, eu sei. Meses sem postar e só aquilo que aconteceu na minha vida. Mas eu esqueci de falar que eu passei de “Holyday in Cambodia” no Guitar Hero III usando o DualShock. Eu sei. Foda demais.

Agora, ao post:

Todo mundo sabe que a maior moda de agora são as bandas coloridas, seguido logo atrás pela moda de falar mal dos coloridos.

Eu vou ser sincero: não gosto. Simples. Primeiro que a qualidade (no quesito de serem bons mesmo) deles não é nada demais. Típica banda de garagem que deu sorte. Mas o que mais me irrita neles é o fato de que mesmo querendo ser coloridos, diversificados, eles só sabem falar sobre uma coisa: Amor.

Não que eles não possam falar disso. Mas eles SÓ sabem falar disso. Todas as letras falam sobre:

-Amor

-Como eles estão felizes com a namoradinha

-Como eles estão tristes sem a namoradinha

Eles não saem disso. É sempre feliz ou triste. Eles não ficam revoltados, com raiva, nada. A vida deles se resume a amar. Que porra de vida é essa?

Vou dar um exemplo de uma banda tradicional: Queen. Eles falavam sobre amor, sobre se libertar, sobre o rádio (!!!) , amigos, sobre a destruição do mundo pelos humanos… Eles não se prenderam a um tema só.

Outro, já mudando mais um pouco: Mamonas Assassinas. Eles sempre faziam letras engraçadas, mas já falaram de animais, de amor, de mamutes (!!!), de ninjas.

Agora, para extrapolar completamente provando que não é presiso se prender a um tema: Dragonforce. Eles já cavalgaram em direção à guerra, fugiram da Terra, que estava destruída, numa nave espacial, já lutaram contra a opressão do senhor das trevas. PORRA! Eles podiam fazer músicas sobre dragões e continuar só nisso. Mas aí eles não seriam fodas.

E sabe o que é mais foda? É que eles têm oportunidade para mudar o sentimento sem precisar fugir do âmbito jovem. Tem uma música do Restar em que um amigo do locutor arma mentiras para separar ele da namorada. “Beleza, agora ele fica com raiva do amigo, e faz comparações com a política, resultando numa letra interessante e revoltada” Não. Ele resolve ficar chrando com saudades da namorada.

Ah, vá se foder, né? Porra, porque você não deu uma voadora de dois pés na nuca desse viado? Era tão simples, mas ele resolve continuar charando.

Não que seja errado falar de amor. É um belo sentimo para expressar. Mas falar só disso? Pelamodideus, né?

É, acho que esse texto não foi engraçado. Mas como isso vai me ajudar na dominação mundial, foi necessário. #desculpaesfarrapada

Anúncios

Dr. Slump

Não se preocupem com a falta de posts. É por falta de assunto ou criatividade mesmo. Aindo vou encher o saco de vocês por muito tempo. Isso é, se alguém ainda acessa isso aqui.

Assunto principal:

Há uns 5 anos, ganhei de aniversário um mangá entitulado Dr. Slump. Tinha uma capa amarela e uma garota cheia de tralha nas costas. O suficiente para qualquer um perguntar “Mas que porra é essa?”. Joguei a revista na cama e continuei mechendo no computador. Por volta de Meia-noite, resolvi checar os presentes. Me deparei com a revista e comecei a ler. E logo nas primeiras páginas eu chorei de rir. Hilariante mesmo.

Há uns dias, resolvi procurar na internet os outros capítulos da revista, e fiquei sabendo que a editora aqui do Brasil cancelou a produção por causa das baixas vendas. Então, só restava uma coisa a fazer: Baixar em inglês mesmo. Foi aí que eu pensei “Porra, podia por isso lá no blog” mas me lembrei que os 3 visitantes habituais daqui não sabem inglês, então tive que traduzir a porra toda para vocês aprecisarem.

Aqui vai o 1° capítulo:

http://www.zshare.net/download/81456430452a261c/

Quando estiver com saco posto o resto. E é bom que riam, porque é chato pra desgraça editar de balãozinho em balãozinho.

E, caso não se lembrem, mangá se le os balões e quadrinhos da direita para a esquerda.

“Bye-bye,

Bye-bye,

Bye-Bye.”

Its a… Paper Gun!

Esses dias eu ia navegando pelo Youtube sem mais nada para fazer da vida quando encontro esse vido aqui:

É em inglês, mas a menos que você seja cego você entenderá.

Eu, como bom desocupado, resolvi fazer. E ficou bem maneirim, vou te contar.

A dicacuja

Bom, eu fiz algumas mudanças. Dá para ver que tem um reforço ali embaixo do corpo, porque estava ameaçando a dobrar, e depois que dobra não tem mais jeito, virou um peso para papel (ironia?).

É isso que acontece com paper guns que não se comportam direito.

Além disso, usei fita isolante, que é bem mais resistente, além de ser a fita mais macho que existe, junto com as fitas com filmes pornô. Mas isso não vem ao caso. O elástico que eu uso é o que veio com meu Corsa:

Oh, uma foto sem um comentário pseudo-engraçado (paradoxo?)

Eu uso ele dobrado, claro. Fico imaginando como seria uma guerra com isso. Na certa, algumas orbitas perfuradas vazando humor vítreo (usa o Google, filho) . Ah, e sangue. Com umas pitadas de pus. Tá, já encheu.

Ah sim:

Meu corsa =D

Haha, saudades?

Eae 3 pessoas cambada, saudades? Sério? Foda-se.

3° dias sem post devido à falta de criatividade ou e preguiça.

E, só de sacanagem, esse vai ser pequeninho, a menos que eu adicione coisas que não pensei ainda (coisa muito comum nesses meus textos, aliás).

Liguem-se:

Isléxi!

Não é Photoshop não! Fiz pelo incrívelmente limitado Paint. “Mintira, aposto que você só clicou naquele banner de Fazer uma Caricatura!”. Não filho, o nome disso é pixel-art.

A arte com pixels. Ou seja, você controla cada pixel da imagem. Lembra do primeiro Donkey Kong (ou “aquele-jogo-em-que-um-macaco-taca-barris-e-você-tem-que-ir-até-em-cima-para-salvar-a-princesa-e-tem-muito-hífen-nesse-parêntese-o-que-você-ainda-tá-lendo-isso-que-otário-descobri-que-apertar-hifen-a-cada-palavra-é-mais-dificil-que-apertar-espaço-tá-cansei)?

Então. Ele era todo pixelado (quadriculado, anta), porque a tecnologia da época não era muito potente. E os desenvolvedores se viam num dilema: como passar a informação que eles queriam com algo tão limitado?

O que você vê? “O mário, oras” Não só isso. Com essa imagem, você sabe que ele é uma pessoa. E que ele tem bigode. E que ele é narigudo. E que ele usa suspensório. E que ele usa bone. E que ele é barrigudo. E que juntando tudo isso, você ainda sugere que ele é italiano! Incrível, né?

Foi assim que surgiu o pixel art. Por causa das limitações. Porém, agora essas limitações não existem (pelo menos não um limite que limitaria algo. É como ter 1234567890987654321 quinquilhões de euros na conta bancária) E o que acontece? Acontece isso:

 @Ails 

 @Jinn

 @Nigthmare

 

@Jaeden

@Snake

Foda, não? E isso são só alguns. Procurando mais, você encontra muita coisa boa.

Engraçado que no começo vocês devem ter me achado foda, e agora, devem tar “Haha, mó retardado”. Mas o Slash ficou fodinha, diz aí.

EDIT: Haha, fudi o Layout. Mas vocês me entenderam, e eu to com preguiça de ajeitar.

EDIT2: Só para deixar claro: os nomes embaixo das imagens são os nicks dos respectivos autores.