Archive for Azar

“Longe de casa…”

Cá estou eu, à mais de 2000 km do lugar onde comecei esse singelo blog, numa pacata cidadezinha chamada Cachoeira do Sul, no estado do Rio Grande do Sul.

Como vocês não sabem porque eu nunca falei aqui (a menos que você faça parte da classe “amigos” que acessa essa joça, grupo esse que corresponde à 99% do tráfego do blog segundo o Bomba Censo Patch 2011 Atualizado 7.32) meu pai é gaúcho, e toda a familia por parte dele, que inclúi 1 (uma) mãe, 7 (sete) irmãos, vários (vários) sobrinhos e MUITO MAIS (Polyshop, facilitando sua vida), a cada 3/4 anos agente vem pra cá visitar eles.

E nós vimos de carro. Dois dias de viagem, dentro de uma carro. Eu, meus pais, minha irmã e um nerd aleatório, que arrumou uma namorada em Caxias do Sul enquanto morava no Rio de Janeiro. Uma história linda de amor explicada pelo meu pai como a inconpetência do moleque em arranjar alguém no Rio mesmo.

Mas beleza. 7 da manhã de terça agente sai de casa, rodamos, rodamos, comemos uns sanduiches que minha mãe fez, rodamos, rodamos, pausa para ir no banheiro, rodamos, rodamos, rodamos, repitimos isso aí umas 3 vezes, até que, um barulho gigantesco assusta a todos. Algum feladaputa resolveu colocar uma pedra no meio do caminho. Todo mundo se recupera, pensando em como demos sorte de não ter acontecido nada de  ma-tá-tá-tá-tá-tá-tá-tá-tá-tá-tá. Pneu furado, sai todo mundo debaixo de chuva, tira as malas, espera meu pai trocar pneu, coloca as malas, rodamos até a cidade mais próxima para tentar ajeitar o pneu estourado.

O borracheiro, conhecido na cidade como “Negão da borracharia”, tinha a orelha torta estilo Spock, e falava tanto que demorou 3 horas pra fazer algo que levaria uma. Acabamos dormindo lá num hotél próximo, que tinha um Wi-fi que fazia downloads a mais de 300kbps. Sério, se eu morasse lá eu às vezes pagaria uma diária e levaria um ou dois HDs externos.

Dia seguinte, acordamos umas 7 horas, e saímos às 8, usando o pneu consertado na noite anterior. Rodamos, rodamos, ro-tá-tá-tá-tá-tá-tá-tá, A PORRA DO PNEU FUROU MAIS UMA VEZ. Pensei até em fazer um livro, “Como furar o mesmo pneu duas vezes usando só uma pedra”. Troca pneu debaixo de chuva DENOVO, continua com o estepe até a cidade seguinte para comprar outro e deixar de estepe. Depois de andar bastante, notamos um engarrafamento logo depois de uma praça de pedágio. Aquelas 10 pistas normais da praça, foram diminuindo,  uma contagem regressiva para o colapso rodoviário, 7 pistas, 5, 3, 2, 1 pista de mão dupla, seguido de uma singela plaquinha com os dizeres “Fim do trecho sob conseção à -Empresa aleatória-“. Era literalmente um funil, e a empresa troller teve a brilhante idéia de colocar várias pistas logo antes.

Depois disso foi até tranquilo. Passamos por aquelas placas de estrada “Lanchonete à 3km”, “Lanchonete à 2km”, “Lanchonete à 500m”, “Lanchonete à 200m”,”Lanchonete à 1Km”… Isso mesmo. De 200m passou para 1km. Eta povo doido, viu?

Logo depois, vimos a cena mais bizarra da viagem (até agora). Um carrinho de supermercado, com as rodas fincadas em tubos de PVC com cimente por dentro, estes fincados no chão, e alguns sacos plásticos dentro do carrinho. Essa imagem fez minha mãe soltar o mais sonoro “Que porra é essa?” que já ouvi na minha vida. Depois de refletimos, chegamos a conclusão que deveria ser uma obra de arte pós-contemporânea, possívelmente entitulada “Uátarrél em sí menor”. Infelizmente, a camera estava guardade, e não foi possível o registro fotográfico dessa bizarrice sulista.

Enfim, chegamos aqui à Cachoeira às 8 da tarde (é da tarde mesmo, aqui no Sul o sol demora muito a se por, de forma aque 8 da “noite” é algo parecido com 6 da tarde, pricipalmente em adição ao horário de verão), comemos, tomando banho, escovamos os dentes. Ah, acho que vimos alguns familiares também. Amanhã é vespera de Natal, então possívelmente terá um post falando sobre, mas não necessáriamente amanhã, claro.

As fotos, eu posto algum dia que estiver com saco de subir todas elas pro WordPress. Ah da camisa do Mário Zumbi também, eu prometo.

 

Anúncios

PUTAQUEOPARIU!!!111!!!1centoeonze!!

QUEM FOI O VIADO QUE DECIDIU COLOCAR UMA MENSAGEM DE “JOG SALVO” QUANDO O SAVE ESTIVESSE COMRROMPIDO NO THE SIMS 3? SERÁ QUE É TÃO DIFÍCIL FAZER UM SCRIPT PARA VER SE TA TUDO LEGAL, FILHOS DA PUTA? TORÇO FORTEMENTE PARA QUE OS DIRETORES DESTE JOGO VÃO PARA A PUTA QUE OS PARIU, E QUE LÁ ELES SEJAM ESTUPRADOS POR “MODIFICADORES DE HUMOR” E DE PATCH “SEM CENSURA”, ENQUANTO SUAS MÃES ARDEM DENTRO DE UM “NANO-ONDAS” SENDO TAMBÉM ESTUPRADAS PELO MENINO QUE ENTREGAVA AS CARTAS.

E ainda tenho que ir pro Inglês. Que dia mais escroto, vou te dizer. E mal passei da metade dele ainda.

Timing

Cara, é impressionante.

Como devem saber (partindo do pressuposto que ninguém além de quem eu conheço lê isso aqui), meu computador está com defeito. O que significaria convulsões e crise de abstinência para mim. Possivelmente, também peidos. Mas por sorte, eu tenho um incrível e sensacional LAPTOP (ou Notebook, seu viadinho culto, como você quizer).

O dito cujo

Ele tem só dois problemas. O primeiro é que ele tem especificações incríveis que gerariam inveja até mesmo numa pedra. Acho que seu eu desse ele para um mendigo, ele olharia e falaria: “Porra, çe for pára dá mixaria nem perçizava. Onde já se viu?”, seguido de uma porrada nas costelas, porque odeio gente mal agradecida.

Dizem que foi feito pela Ferrari. Mas eu ainda não encontrei a assinatura do Rubinho, então discordo.

Teve uma vez que Campo Minado travou. Sério mesmo. Justo quando eu colocava mais uma bandeirinha. Ah, sacana.

O segundo problema é que sem o computador, vira o único ponto de acesso à internet. O que significa ter que compartilhar. E compartilhar um eletrônico é muito difícil para mim. Tem remédio controlado até. Se chama Nintendo DS Lite + R4. Mas a falta do novo Professor Layton nele tá deixando o efeito tão efetivo quanto um Ember de Torchic lv. 5 num Gyarados lv. 74.

Mas divago.

Bom, minha mãe tem que usar a impressora várias vezes ao dia, pois ela é professora. Eu nem me incomodaria, se não fosse o timing perfeito dela. Digo, perfeitamente irritante.

Só hoje foi mais ou menos assim:

2 horas da tarde: Ataca uma aldeia abandonada por algum noob que não sabe jogar direito. Sem mais nada para fazer, fui dormir sonhando com alguma calamidade mundial aí. Hoje em dia são tantos delas, que sair pela rua e ser atingido por cocô de pombo radiotivo já é normal. A menos que você estivesse se abaixando para pegar uma moeda do chão, e entrasse pelo seu cofrinho. Aí seria estremamente engraçado. Não para você, claro.

Porra, fugi do assunto mais uma vez. Me avisem se acontecer de novo.

4 horas da tarde –  Acordo e sem nem levantar, me arrasto em direção a cadeira estrategicamente posicionada ao lado da cama. Clico no ícone do Internet Explorer. Nesse momento entra minha mãe com o clássico “Vou ter que usar rapidinho”. “Carááááááiiii véééi, tu so pode ta me zoando, cacete” foi exatamente o que eu não falei. Ao invés disso, expressei um Fuuuu na mente e me levantei, me jogando no sofá da sala para dormir mais um pouquinho. Aquele sofá é muito bom para dormir, que isso. Se fosse cama não seria tão bom mas…

PORRA! Saí do assunto de novo, e nem um viado para me avisar, taquepariubush.

Bom, o Laptop é dela, de qualquer forma. Mas, como ela mesma diz, “Mãe é quem cuida”, o que se aplica também em eletrônicos. Aliás, seria essa uma indireta, dizendo que eu sou adotado? Só me fodo mesmo, viu.

Aliás, espero que ela não fale isso na frente da empregada. Ela que arruma minha gaveta de cuecas, e ir para a escola sem cueca é perigosíssimo quando garotas incrivelmente desenvolvias para a idade insistem em ficar deitadas na calçada e/ou sala de aula. Imagina o constrangimento.

Sem nenhuma relação com o post, mas achei legal mostrar:

Making-off do blog. Em breve em Disney DVD e Bluray.

Reparem no erro de digitação ali embaixo na imagem. E agora sobe lá para ver se o erro continua lá. Corre, corre.

Lei de Murphy se prova verdadeira…

… de novo. Voltemos aos fatos:

Ontem, 23 horas – Lá estava eu, evoluindo meu edifícil principal para o nível 11, quando me lembro: “Aé, tenho que imprimir aquele trabalho”. Ligo a impressora, abro o arquivo do Word e clico em impressão. Um balão aparece no canto inferior direito da tela. “Dispositivo USB não identificado. Clique aqui para ver mais informações”. Penso comigo mesmo “What the fuck?” enquanto coço a bunda. Nádega direita, para ser mais exato. Clico no balão, mas as informações da janela que se abriu me ajudavam tanto quanto um meteóro em formato de pênis caindo no Cazaquistão.

23:05 – Desligo a impressora e reconecto todos os cabos, reconectando-os em seguida. Ligo a impressora, e dessa vez o balãozinho aparece imediatamente.

Abro aqui um longo parêntese: Um amigo meu não tem impressora, e me manda o arquivo por e-mail para eu imprimir. Nesse mesmo dia, a impressora de outro moleque deu problema e eu iria imprimir o trabalho para ele também. Resumindo, por algum motivo inesplicável esses rapazes confiam à mim suas notas. Logo eu, que mal lembro dos meus próprios.

)

Pego o CD de instalação da impressora, e instalo os drivers novamente. Isso melhorou tanto minha vida quanto se o Osama Bin Laden tivesse saido vivo do acidente com o meteóro fálico. Reconecto os cabos novamente. Testo todas portas USB. Nada. A situação ia de mal a pior.

A feladaputaqueapariu

23:45 (é, a instalação demorou bastante) – Decido pegar o Netbook do meu pai e tentar usar a impressora nele. Até passou pela minha cabeça fazer o trabalho à mão, mas meu sangue brasileiro impediu. Como todos sabem, Netbooks não têm leitor de CD, logo tive que baixar os Drivers. No site dizia que eles pesavam 22 MB, oque com minha incrível conexão de 15 kbp/s, calculei que demoraria mais ou menos meia hora para baixar. Sem nada para fazer além de esperar, começo a ver Hipertensão torcendo para que alguém engulisse alguns vermes.

00:00 – O tempo se esgotava. O sono batia. A bunda continuava coçando. Passados 15 minutos, resolvi ver como ia o Download. Estranhamente, ele havia sido concluído. E, segundo a janela, ele era de 6mb. Com um puta medo de ser vírus, clico no ícone do progama. “Este arquivo não é um aplicativo Win32 válido”. “Ah, foda-se, o trabalho e aqueles viados”. Pego uma folha de papel, copio rápidamente os tópicos principais do trabalho. Tá perfeito, pensei.

Deitei na cama, e fiquei acordado até duas da manhã assistindo Carandiru. Puta que pariu, essa preguiça ainda me mata, tenho certeza.

P.S.: Ah sim, e testei ela agora e a filadaputaqueapariu funcionou.

P.S.S: Porra, post longo para caráleo.